27 de Fevereiro de 2020
Pesquisar
Alertas SMS
Subscreva o serviço gratuito
Detalhe da Notícia
Programa de incentivo à reciclagem é um sucesso nas Escolas de Alenquer
O Ecovalor conta com a participação de escolas dos 19 municípios servidos pela Valorsul e promove a recolha de papel e cartão e metal e plástico
As escolas de Alenquer recolheram no ano letivo de 2018/2019 mais de 62 toneladas de plástico e metal, ficando em segundo lugar no ranking dos 19 municípios da Valorsul aderentes ao programa Ecovalor. Na recolha de papel e cartão obtiveram o quinto lugar com mais de 30 toneladas recolhidas.

O programa Ecovalor – Separa e Ganha tem como objetivo colocar as escolas e as instituições de solidariedade social, na linha da frente da separação de materiais recicláveis, com a promoção de ações de sensibilização, visitas à Valorsul e atribuição de prémios monetários às escolas, em função da quantidade de material reciclável recolhido. Os cheques são entregues pelo município no final de cada ano letivo e o dinheiro é investido nas escolas, sobretudo em material multimédia e materiais didáticos.

Desde que aderiram ao programa no ano letivo de 2015/2016, as escolas de Alenquer têm tido uma evolução exponencial na recolha de plástico e metal. No primeiro ano foram recolhidas perto de 21 toneladas, número que mais do que duplicou no ano seguinte com perto de 45 toneladas, e que lhe garantiu o primeiro lugar no ranking, proeza que se repetiria no ano letivo 2017/2018 com cerca de 59 toneladas recolhidas.

Em 2018/2019, apesar de ter aumentado o número de embalagens, com 62 toneladas, não foi o suficiente para “segurar” o primeiro lugar, com a Lourinhã a recolher mais de 72 toneladas.

Na separação de papel e cartão a evolução não tem sido tão linear, com perto de 30 toneladas recolhidas em 2015/2016, número que desceu para as 25 toneladas no ano letivo seguinte. Em 2017/2018 foram recolhidas cerca de 31 toneladas, número que desceria em 2018/2019 para as 30 toneladas.

A recolha dos resíduos é assegurada pelo município, que duas vezes por semana efetua um circuito pelas escolas aderentes ao programa, distribuindo ainda os sacos destinados à recolha. Participaram o ano passado 24 escolas ao programa de recolha de plástico e metal e 12 ao programa de papel e cartão, sendo que nalguns casos há escolas que promovem a recolha de ambos.

É o caso da Escola Básica Integrada Visconde de Chanceleiros na Merceana, que promove ainda a recolha de resíduos eletrónicos. “O ano passado fomos a escola do concelho que mais resíduos eletrónicos recolheu e já obtivemos vários primeiros lugares ao longo dos anos nas outras categorias”, explica a professora Célia.

Resultados que são reflexo do empenho de toda a comunidade escolar, sobretudo dos pais dos alunos, como destaca a docente. “Os alunos já interiorizaram a importância de minimizar os impactes no meio ambiente e passaram essa mensagem em casa e os bons resultados são reflexo disso mesmo”, explica.

Pelo conjunto de material enviado para reciclagem, o ano passado a escola recebeu um cheque de mais de mil euros, que foram investidos em mesas e bancos para o espaço exterior e mobiliário para o pavilhão polivalente. O próximo investimento será em principio a aquisição de termoventiladores para climatizar as salas de aula, projeto que ainda terá de ser sujeito a aprovação.

 Na escola básica de Ribafria só se efetua recolha de papel e cartão, mas a tarefa é levada com muito empenho.

Os 24 alunos desta escola recolheram quase 3,5 toneladas destes resíduos, o que a coloca no quarto lugar das escolas do concelho, mas em primeiro no número per capita, com cada aluno a contribuir em média com mais de 142 quilos, ao longo do ano letivo 2018/2019.

Para além dos benefícios para o meio ambiente, o seu empenho foi ainda recompensado com cheques, o mais elevado no valor de 500 euros, entregues pela Valorsul.

Entre os bens adquiridos contam-se material multimédia como um projetor e uma impressora multifunções, material de educação física como colchões, bolas de ginástica rítmica e cordas de saltar, e material didático para o ensino de matemática, como uma balança, unidades de peso e medida e formas geométricas.

“O principal objetivo do programa, é alertar para a necessidade de proteger o meio ambiente e como podemos dar o nosso contributo, mas não podemos negar a importância destes prémios como incentivo e reconhecimento”, explicam as professoras Mónica Aguiar e Manuela Amaral.

O Jardim de Infância de Abrigada recolheu o ano passado mais de 3,5 toneladas de plástico e metal, o que significa que cada criança entregou em média 96 quilos de resíduos.

“Participámos desde o primeiro ano e ganhámos o primeiro prémio, que nos serviu para comprar uma casa de jardim onde eles adoram brincar, feita precisamente com material reciclado. Sempre que temos crianças novas mostramos a casa e explicamos como foi adquirida”, explica a educadora Isabel Ventura.

“As crianças ficaram muito sensibilizadas quando expliquei o impacto que o plástico tem nos oceanos, e eles levam essa mensagem para casa e, portanto, gera-se uma dinâmica que nos permite ter estes resultados que nos deixam muito orgulhosos”, disse.

Um computador portátil e uma televisão para a sala de prolongamento, estão na lista de próximos investimentos na JI de Abrigada.

Na escola de Cadafais pratica-se a reciclagem de papel/cartão e plástico/metal, com resultados muito positivos. “Conseguimos envolver toda a comunidade neste programa, não só dos pais, mas de comerciantes e amigos e isso permitiu-nos alcançar muitos bons resultados”, adiantou a professora Elisabete Varanda.

“O sucesso deste programa mede-se sobretudo pelos comportamentos no dia a dia, e mesmo dentro da escola a separação do lixo já é feita de uma forma muito natural, e acreditamos que sejam replicados em casa e na rua”, acrescentou.

Na escola básica do Paiol, optou-se pela reciclagem do plástico pelas condicionantes do espaço, e com muito bons resultados.

“As crianças estão muito sensíveis às questões do Ambiente, e ficam contentes por poderem contribuir de uma forma ativa para um planeta mais sustentável”, afirma a professora Ana Lúcia Antunes.

A professora destaca ainda as visitas às instalações da Valorsul, onde os alunos podem ver qual o destino de todas as embalagens que entregam na escola. “É muito importante que as crianças possam acompanhar todo o processo, desde a deposição dos resíduos até ao centro de reciclagem e nestas visitas fazem muitas perguntas que depois são trabalhadas em sala de aula”. O programa Ecovalor já permitiu a aquisição de um “data show”, um quadro magnético, tinteiros e um leitor de Dvd.

Nos resultados globais dos 19 municípios em 2018/2019, o programa de educação ambiental da Valorsul, envolveu 76.000 alunos e permitiu que fossem enviadas para reciclagem 500 toneladas de plástico e metal e 475 toneladas de papel e cartão. Como recompensa pelo esforço e empenho foram premiadas 321 escolas e distribuídos cheques no valor global de 60 mil euros.

O município de Alenquer congratula-se pelos excelentes resultados alcançados pelas escolas do concelho e agradece o empenho, esforço e dedicação de todos os envolvidos neste programa; alunos, encarregados de educação, pessoal docente e não docente, trabalhadores do município e toda a comunidade em geral.

Este esforço conjunto foi decisivo para em poucos anos, inverter a posição de Alenquer no ranking da reciclagem, passando dos que menos reciclava para líder por dois anos consecutivos.

 

 

17-12-2019 Fonte: CMA
« Voltar
 Sub-Navegação
Categorias:
› Todas
› Juntas de Freguesia
› Segurança e Proteção Civil
› Obras Municipais
› Ação Social
› Educação e Ensino
› Ambiente
› Desporto, Recreio e Tempos Livres
› Saúde
› Agricultura
› Juventude
› Atividades Económicas
› Cultura
› Urbanismo
2006 - 2020 © Câmara Municipal de Alenquer - Todos os Direitos Reservados

Projecto Co-Financiado  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associação de Municípios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informação