22 de Maio de 2019
Pesquisar
Alertas SMS
Subscreva o serviço gratuito
Detalhe da Notícia
Renascem as festas do Espírito Santo
62 anos depois
D. José Policarpo no final da procissão
+ Fotos
O retomar das festas do Espírito Santo enfeitou de encarnado a vila. As colchas às janelas deixavam perceber o entusiasmo dos alenquerenses e nem a chuva, que caiu durante boa parte da tarde, demoveu a assistência.

Interrompidas há perto de 200 anos, as Festas do Império do Divino Espírito Santo reconstituíram-se por uma única vez em 1945, para renascerem em 2007, sob o lema “o Espírito Santo sopra onde quer”, juntando centenas de pessoas.

Domingo foi o ponto alto dos festejos, que tiveram início a 1 de Abril. A missa solene, procissão e bodo foram as cerimónias mais esperadas. Presididas por D. José Policarpo, Cardeal Patriarca de Lisboa, contaram com a presença dos autarcas do concelho e membros das corporações locais. D. Duarte Pio e D. Isabel de Bragança estiveram também presentes.

Na frente da procissão, acentuando as origens medievais dos festejos, seguiam gaitas de foles e tambores. Representando as 16 freguesias do concelho, caminhavam camponeses, com cestas de pão e o vinho a servir no bodo. Depois, os escoteiros de Ota e os escuteiros de Alenquer. Os confrades da Irmandade de Santa Cruz e Passos de Nosso Senhor e os membros da Santa Casa da Misericórdia no seu encalço, vestindo opas roxas e encarnadas. Entre estes e o clero, crianças transportavam a bandeira do Divino Espírito Santo, a coroa imperial e as rosas, elementos simbólicos deste culto. No fim, a banda da Sociedade Filarmónica de Abrigada, seguida pelos fiéis.

O cortejo saiu da Igreja de São Francisco e terminou no Largo do Espírito Santo, onde, no Parque Vaz Monteiro, um bodo composto pela sopa de carne, pelo pão, pelo vinho e pelos tremoços da tradição, aguardava por todos, participantes e comunidade.

Foi há sete séculos que se iniciou em Alenquer esta celebração, que durou 500 anos. A tradição local fixou o ano de 1321 como o da fundação de uma Casa, Igreja e festejos por iniciativa da Rainha Santa. Rapidamente se espalharam por todo o reino e acabaram por chegar ao Brasil, África, Índia, Canadá, Estados Unidos, entre outros, levando assim longe o nome de Alenquer.
 
28-05-2007 Fonte: CMA
« Voltar
 Sub-Navegação
Categorias:
› Todas
› Juntas de Freguesia
› Segurança e Proteção Civil
› Obras Municipais
› Ação Social
› Educação e Ensino
› Ambiente
› Desporto, Recreio e Tempos Livres
› Saúde
› Agricultura
› Juventude
› Atividades Económicas
› Cultura
› Urbanismo
2006 - 2019 © Câmara Municipal de Alenquer - Todos os Direitos Reservados

Projecto Co-Financiado  Promotor  Desenvolvimento
Acessibilidade [Alt + D seguido de ENTER] D  POS_Conhecimento
FEDER União Europeia
FEDER
Associação de Municípios do Oeste Makewise - Engenharia de Sistemas de Informação